quinta-feira, 9 de julho de 2009

Um rosto sem coração




Hoje, depois de tanto doar o amor
Estou sentindo-me como fora
Uma grande obra de um pintor
Uma pintura de grande valor
Mas com a expressão da dor
Amarelada pelo tempo
Um corpo em decomposição
Alma sem coração
Um olhar que não reluz
O brilho que fui outrora
Vida sem emoção
Estrada longa
Túnel sem saída
Dia sem sol
Noite sem luar
Ondas sem mar
Boca sem beijo
Mãos sem o carinho
Inverno sem frio
Verão sem luz
Hoje me posso pintar

“Como uma pintura de uma dor
Um rosto sem coração”

sol pereira

Um comentário:

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA AMIGA SOL... FORÇA PARA VENCER A DEPRESSÃO...ABRAÇO-TE COM CARINHO,
FERNANDINHA